Hino de Piracicaba

(Hino oficial da cidade)

 

 

Autor: Newton de Almeida Mello
Arranjo: Ernst Mahle
Voz: Débora Letícia Batista
Violinos: Gláucia Maria Annichino Pinotti e Rui Alexandre Kleiner
Teclado: Adelina Inez Annichino Pinotti

 

Numa saudade, que punge e mata
Que sorte ingrata, longe de ti
Como um suspiro triste, sem termo
Vivo no ermo dês que parti.

Piracicaba, que eu adoro tanto:
Cheia de flores, cheia de encantos
Ninguém compreende a grande dor que sente
Um filho ausente a suspirar por ti.

Piracicaba, que eu adoro tanto:
Cheia de flores, cheia de encantos
Ninguém compreende a grande dor que sente
Um filho ausente a suspirar por ti.

Em outras plagas, que vale a sorte?
Prefiro a morte junto de ti.
Adoro os prados, os horizontes,
O céu os montes donde nasci.

Piracicaba, que eu adoro tanto:
Cheia de flores, cheia de encantos
Ninguém compreende a grande dor que sente
Um filho ausente ausente a suspirar por ti.

Piracicaba, que eu adoro tanto:
Cheia de flores, cheia de encantos
Ninguém compreende a grande dor que sente
Um filho ausente a suspirar por ti.

Só vejo estranhos, meu berço amado
Tendo ao teu lado o que perdi
Poucos se importam com os seus encantos
Que eu amo tanto dês que nasci.

Piracicaba, que eu adoro tanto:
Cheia de flores, cheia de encantos
Ninguém compreende a grande dor que sente
Um filho ausente a suspirar por ti.

Piracicaba, que eu adoro tanto:
Cheia de flores, cheia de encantos
Ninguém compreende a grande dor que sente
Um filho ausente a suspirar por ti.

 

 

 

A letra e a melodia deste hino foram obtidas através da página do jornal A Província, de Piracicaba.

 

voltar aos hinos